Cirurgia Profilática – Câncer de Mama e Ovário

Cirurgia profilática é quando realizamos uma cirurgia num órgão que ainda não está acometido pelo câncer, baseado em um exame genético que demonstra um alto risco de desenvolvimento de câncer nesse órgão, exame este que foi realizado devido à história de vários familiares de câncer de mama.

A medicina é uma área em constante evolução, com descobertas que nos guiam sempre visando o melhor para o paciente. Atualmente existem os genes BRCA 1 e 2 que, devido ao alto risco de câncer de mama e de ovário, quando a paciente fez o teste e comprovou ser portadora da mutação, é necessário observar a idade para identificar qual será o tratamento.

A idade ideal para realizar a mastectomia bilateral é de 35 anos para aquelas que possuem mutação no BRCA 1 e 40 anos para àquelas que possuem mutação no BRCA 2. Já para a realização da salpingooforectomia bilateral, a idade indicada é de 40 anos para àquelas com mutação no BRCA 1 e de 45 anos para aquelas com mutação no BRCA 2.

Outra alteração genética que indica esta forma de tratamento profilático é a Síndrome Li-Fraumeni. Existem outras inúmeras alterações genéticas que podem ser detectadas e estão ligadas ao câncer de mama, mas que não tem ainda uma indicação precisa de cirurgia profilática pela falta de demonstração de ganho de sobrevida vista em trabalhos científicos. São genes que, mesmo alterados na prática, não apresentam risco de desenvolvimento de câncer elevado. Devemos tomar uma decisão baseada na apresentação dos casos de câncer na família, desejo da paciente somada ao esclarecimento de riscos e benefícios, com a avaliação do colega geneticista e oncologista clínico.

A grande maioria das cirurgias profiláticas utilizam de prótese para reconstrução de mama. Essas próteses podem ser redondas ou anatômicas (diferente altura em relação à base). Assim, ao escolher uma prótese, podemos de maneira previsível diminuir, aumentar ou projetar mais uma mama em função do desejo da paciente. As próteses costumam diminuir o tempo cirúrgico, simplificando a reconstrução. Atualmente, é possível colocar a prótese subpeitoral ou pré-peitoral, conhecida também como subcutânea. Também é possível reconstruir a mama com retalho musculocutâneo do músculo reto abdominal ou músculo grande dorsal proveniente da lipoenxertia ou não.

Cada técnica possui um risco e benefício. Nos retalhos musculares, é possível obter o resultado mais natural em relação à textura, mobilidade tecidual e duradouro, quando a paciente ganha peso, o retalho engorda; quando emagrece, o retalho diminui. O retalho segue o corpo porque faz parte dele. Dificilmente o retalho muscular contrai uma infecção, diminuindo assim sua chance de uma possível retirada, ao contrário da prótese que pode chegar a 8% de infecção e perda. Como desvantagem, podemos ter a curto prazo a necrose total ou parcial do retalho com perda da reconstrução, assim como a cicatriz da área doadora.

Os riscos a curto prazo de uma cirurgia preventiva são os de uma complicação cirúrgica. No caso de mutação do BRCA, as complicações da mastectomia e reconstrução de mama podem ser: sangramento, infecção, necrose de pele, papila ou aréola, abertura da cicatriz. Já na salpingooforectomia ou histerectomia, as complicações comuns são: dor abdominal, sangramento, infecção da ferida, lesão de via urinária ou intestinal. A médio e longo prazo, são um resultado estético inferior ao desejado pela paciente, logo a necessidade de novos procedimentos para melhora do resultado.

No dia a dia, o que vemos na prática, em sua grande maioria, são apenas ganhos. As pacientes ficam muito felizes em relação ao antes e depois da cirurgia profilática. Além disso, elas passam a ter um semblante leve, feliz, aliviado, além de ficarem muito satisfeitas com o resultado final da cirurgia. O ganho na qualidade de vida é visto em vários depoimentos. Uma situação é fazer uma mastectomia na presença de câncer, pois nesse caso somos parte de um tratamento muitas vezes multimodal (quimioterapia, hormonioterapia, radioterapia, anticorpos monoclonais), onde focamos na chance de cura; outra é fazer uma cirurgia profilática onde o câncer ainda não existe. Assim, ao fazer a cirurgia, evitamos o desgaste da paciente vivenciado no tratamento multimodal (quimioradioterapia), além de preservarmos o máximo de tecido (pele, aréola e papila) durante a cirurgia de mastectomia na tentativa de busca do natural.

Recuperação da Cirurgia Profilática

Geralmente, o procedimento é feito em regime de hospital-dia, ou seja, ela recebe alta no mesmo dia da cirurgia. As orientações com a ferida operatória e drenos quando existirem estão em anexo basta clicar. Orientamos o uso de sutiã cirúrgico, que deve ser comprado no pré-operatório e colocado já na sala de cirurgia após os curativos, pela estabilidade da mama, pela média compressão diminuindo sangramentos e pelo conforto para a colocação e retirada. Para controle da dor, muitas vezes um analgésico se faz necessário, assim como um anti-inflamatório nos primeiros 3 a 5 dias. A mobilidade de membro superior até nível de ombro nas primeiras duas semanas é o suficiente para que a paciente tenha autonomia e consiga se cuidar sem auxílio. Após esse período, liberamos para amplitude de movimento total de membro superior, mas restringimos exercícios físicos repetitivos e de moderada intensidade. Isto porque ao contrário das cirurgias puramente estética na mama com recuperação rápida, na reconstrução não temos mais uma glândula mamária protegendo a prótese. Nesse procedimento usamos próteses de tamanho e peso bem maior que na estética (dobro de volume), pois não estamos somando a prótese a uma glândula, pelo contrário, estamos repondo todo um volume da glândula que foi retirada na mastectomia.

As próteses utilizadas para reconstrução mamária, além de possuírem um volume maior, são um pouco mais rígidas que na estética. Elas são assim para que não fiquem dobradas pelo seu próprio peso, mantendo a forma desejada em ondulações. Isso significa que necessitam de incisões maiores que na cirurgia estética para que possam ser posicionadas.

Se você pretende fazer essa cirurgia, procure um profissional capacitado e que lhe transmita segurança!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *